Beauty Drops

Exclusivo Profissionais de Estética

Um programa especialmente formulado para o rosto, pescoço e decote. Este tratamento de 6 dias combate eficazmente os sinais de envelhecimento, dando-lhe uma pele visivelmente fresca e brilhante.

1º e 2º dia – Pure Hydration Serum
A sua textura leve e não oleosa funde-se com a pele, sem a untar. Proporciona hidratação sublime e profunda. O rosto fica livre dos sinais de envelhecimento, a pele fica radiante, brilha e com frescura.

3º e 4º dia – Active Retinol Phials
Um sérum concentrado para o tratamento intensivo do rosto, pescoço e decote. As pequenas rugas são atenuadas e a pele recupera a elasticidade dando-lhe uma aparência fresca e luminosa.

5º e 6º dia – Vitamin Power Phials
Um concentrado de vitaminas para o rosto, pescoço e decote. A combinação de três vitaminas combate eficazmente os radicais livres e protege a pele do envelhecimento prematuro. Ideal para tonificar e revigorar a pele. Apropriado para todos os tipos de pele.

Complete a sua rotina skincare com as diferentes linhas:
1 – Pure Hydration
2 – Noesis

Quantidade: 6 x 12 ml

Informações Complementares

Aplique no rosto, pescoço e decote à noite ou de manhã e bata suavemente com as pontas dos dedos até completa absorção.

NOESIS ACTIVE RETINOL PHIALS
Aqua, Glycerin, Pentylene Glycol, PEG-7 Glyceryl Cocoate, Hydrolyzed Algin, Maris Aqua, Chlorella Vulgaris Extract, Retinol, Polysorbate 20, Ethylhexylglycerin, Xanthan Gum, Sodium Dehydroacetate, Benzophenone-4, Disodium Edta, Phenoxyethanol, Sodium Hyaluronate, Parfum, Propylene Glycol, Sodium Hydroxide, Lactic Acid, Glycine Soja Extract, Cellulose Gum, Ci 19140, Acrylates/C10-30 Alkyl Acrylate Crosspolymer, Bht, Chitosan, Glycolic Acid, Sorbitan Oleate.

NOESIS VITAMIN POWER PHIALS
Aqua, Glycerin, Pentylene Glycol, PEG-7 Glyceryl Cocoate, Polysorbate 20, Panthenol, Ethylhexylglycerin, Xanthan Gum, Sodium Dehydroacetate, Benzophenone-4, Disodium Edta, Parfum, Sodium Hydroxide, Lactic Acid, Glycine Soja Extract, Tocopheryl Acetate, Cellulose Gum, Retinol, Acrylates/C10-30 Alkyl Acrylate Crosspolymer, Bht, Chitosan, Phenoxyethanol, Ci 16255, Ci 19140, Glycolic Acid, Sorbitan Oleate.

PURE HYDRATION SERUM
Aqua, Glycerin, Hydrolyzed Hyaluronic Acid, Sodium Hyaluronate, Ubiquinone, Carnitine Hcl, Xanthan Gum, Tocopherol, Sodium Gluconate, Phenoxyethanol, Potassium Sorbate, Ethylhexylglycerin, Lactic Acid.

Apesar de integralmente sustentada em fontes de referência com reconhecido valor e prestígio nacional e internacional, a informação contida nestas páginas não pode ser considerada como exaustiva ou, apesar de todos os esforços de melhoria contínua, isenta de incorrecções inadvertidas. As plantas e seus derivados utilizados na preparação de cosméticos e suplementos alimentares têm efeitos nutricionais, e podem interagir com medicamentos e outros suplementos. A sua inclusão em produtos para consumo humano obriga à prévia determinação de segurança, porém, essa segurança depende de uma utilização responsável. A Spell One e Biovip não assume qualquer responsabilidade por problemas decorrentes da má utilização da informação disponibilizada. Se precisar de aconselhamento específico, deverá recorrer directamente a um profissional devidamente qualificado.

Principais Ingredientes

O Ácido Hialurónico, também conhecido por Hialuronato de Sódio, é um glucosaminoglicano natural formado pela ligação de glucosamina com ácido glucorónico. Ocorre naturalmente em vários tecidos e fluidos do corpo, mas principalmente na cartilagem articular e no fluido sinovial, sendo o principal responsável pela sua elevada viscosidade e propriedades lubrificantesprotetoras e amortecedoras na articulação. Sendo também abundante na pele e estando presente em tendões e cavidades serosas. É sintetizado principalmente por fibroblastos e queratinócitos, sendo que os condrócitos dependem dele para deposição da matriz da cartilagem e foi sugerido que desempenhe também um papel na fecundação e imunorregulação.

O Ácido Hialurónico desempenha um papel multifacetado na regulação de diversos processos biológicos, nomeadamente na reparação da pele e regeneração de tecidos. Considerado um humectante por excelência, possui elevada capacidade para absorção de água e consegue penetrar nas camadas superiores da epiderme, permitindo aumentar a coesão entre as células e assim proteger a pele de fenómenos de desidratação, tendo vindo a ser empregue como um dos componentes imperativos em produtos cosméticos e nutricosméticos. Entre as suas funções biológicas incluem-se a retenção de água na matriz, hidratação de tecidos, homeostasia da água, lubrificação, transporte de solutos, migração, divisão e interação celular, adesão neutrófila, reabsorção óssea, cicatrização e agregação e adesão de glóbulos vermelhos. Para além disto, também tem sido usado em cirurgia oftálmica, diagnóstico de cancro, como anti-inflamatório e imunomodulador e no tratamento de articulações inflamadas.
A progressão da osteoartrite com a idade leva ao declínio de ácido hialurónico, motivo pelo qual tem sido usado no tratamento desta patologia, bem como no controlo de dores articulares.

Em suma, o Ácido Hialurónico, naturalmente presente em vários tecidos no corpo humano, tende a diminuir com a idade, como tal desempenha um importante papel na saúde articular, nomeadamente na lubrificação da cartilagem, como antioxidante, analgésico, anti-inflamatório, condroprotetor, evita a degradação da matriz extracelular e tem efeitos de reparação na cartilagem. Para além do seu papel cicatrizante, reparador e hidratante da pele.

Bibliografia

1. Bukhari SNA, Roswandi NL, Waqas M, et al. Hyaluronic acid, a promising skin rejuvenating biomedicine: a review of recent updates and pre-clinical and clinical investigations on cosmetic and nutricosmetic effects. Int J Biol Macromol. 2018.
2. Gupta RC, Lall R, Srivastava A, Sinha A. Hyaluronic acid: molecular mechanisms and therapeutic trajectory. Front Vet Sci. 2019.
3. Gelse K, Pöschl E, Aigner T. Collagens – structure, function, and biosynthesis. Adv Drug Deliv Rev. 2003.
4. Becker LC, Bergfeld WF, Belsito D V., et al. Final Report of the Safety Assessment of Hyaluronic Acid, Potassium Hyaluronate, and Sodium Hyaluronate. Int J Toxicol. 2009.

A água do mar possui diversas propriedades que a tornam benéficas para a saúde, principalmente no que diz respeito à melhoria da aparência da pele, tratamento de doenças inflamatórias, diminuição do stress e aumento da sensação de bem estar.

Esses benefícios são possíveis devido ao fato da água do mar ser rica em minerais, como magnésio, cálcio, potássio, crômio, selênio, zinco e vanádio, que também possuem papéis importantes no corpo humanos. Além disso, os benefícios da água do mar estão relacionados com o fato de que as células do corpo estão mergulhadas em um líquido que possui composição muito parecida com a da água do mar e que favorece as atividades celulares relacionadas com o metabolismo.

Dessa forma, a água do mar tem uma grande compatibilidade com estes fluídos, tendo inúmeros benefícios para a saúde, já que o ser humano precisa de todos os minerais que estão presentes na água do mar.

Minerais como o sódio, potássio, iodo, zinco, silício e magnésio, são muito importantes para a regeneração celular e a hidratação da pele e ajudam a reduzir a perda de água pela pele. Além disso, a água do mar tem também uma ação desinfetante e antisséptica, sendo por isso muito eficaz no alívio dos sintomas da psoríase e do eczema, e na melhoria da acne.

A água do mar funciona também como um esfoliante natural, devido à presença de sal e as algas presentes no mar, ricas em proteínas, vitaminas e minerais, contribuem também uma pele saudável.

Bibliografia

1. Mitchell, Richard. Is physical activity in natural environments better for mental health than physical activity in other environments?. Social Science & Medicine. Vol 91. 130-134, 2013
2. Nani, Samihah Z. M. et al. Potential Health Benefits of Deep Sea Water: A Review. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. 2016
3. Hodak, Emmilia et al. Climatotherapy at the Dead Sea is a remittive therapy for psoriasis: combined effects on epidermal and immunologic activation. Journal of the American Academy of Dermatology. Vol 49. 3 ed; 451–457, 2003

A coenzima Q10 está presente de forma natural em todas as células do nosso corpo. Uma vez que é fundamental para a produção de energia, e como tal, é parcialmente responsável pelas funções básicas da pele – como os processos de regeneração, reparação e crescimento.

A coenzima Q10 (também chamada de ubiquinona) é uma substância semelhante a uma vitamina. Ocorre naturalmente em todas as células do corpo e tem um papel vital nestas. É essencial para a produção de energia e para o cumprimento das funções básicas da pele, como é o caso da reparação e da regeneração.

Ao ser a camada mais externa do nosso corpo, a pele acaba por estar constantemente exposta a vários fatores externos, como é o caso do stress oxidativo causado pelos raios UV. Para além disso, os processos internos podem libertar radicais livres. Estes causam danos celulares e aceleram os sinais de envelhecimento.

Assim, a sua utilização vai permitir obter os seguintes benefícios:

  • fornece a energia necessária à pele para que esta repare e regenere de forma natural;
  • dá energia à pele. À medida que a pele envelhece os níveis naturais da coenzima Q10 começam a diminuir. Uma vez que já não se consegue regenerar e reparar tão rapidamente, a pele acaba por ter um aspeto sem brilho e mais cansado;
  • ajuda a reduzir os danos provocados pelo sol;
  • ajuda à produção de colagénio;
  • ajuda a reduzir o aparecimento das rugas;
  • ajuda a unificar o tom da pele.

Bibliografia:

1. Conley, K. E. , Marcinek, D. J. , and Villarin, J. (2007) Mitochondrial dysfunction and age. Curr. Opin. Clin. Nutr. Metab. Care 10, 688–692.
2. Batisse, D. , Bazin, R. , Baldeweck, T. , Querleux, B. , and Lévêque, J. L. (2002) Influence of age on the wrinkling capacities of skin. Skin Res. Technol. 8, 148–154.
3. Blatt, T. and Littarru, G. P. (2011) Biochemical rationale and experimental data on the antiaging properties of CoQ(10) at skin level. Biofactors 37, 381–385.
4. Hoppe, U. , Bergemann, J. , Diembeck, W. , Ennen, J. , Gohla, S. , et al. (1999) Coenzyme Q10, a cutaneous antioxidant and energizer. Biofactors 9, 371–378.
5. Prahl, S. , Kueper, T. , Biernoth, T. , Wöhrmann, Y. , Münster, A. , et al. (2008) Aging skin is functionally anaerobic: importance of conenzyme Q10 for anti aging skin care. Biofactors 32, 245–255.
6. Winkler‐Stuck, K. , Wiedemann, F. R. , Wallesch, C. W. , and Kunz, W. S. (2004) Effect of coenzyme Q10 on the mitochondrial function of skin fibroblasts from Parkinson patients. J. Neurol. Sci. 220, 41–48.

É um poderoso antioxidante natural, rico em flavonoides que inibem o stress oxidativo. Além disso estimula a produção de colagénio e elastina, contribui para amenizar as rugas e irregularidades presentes na camada superficial da pele, eliminando a gordura localizada com base na estimulação da circulação sanguínea.

Chlorella é uma alga particularmente popular na Ásia, especialmente no Japão, cuja produção com intuitos comerciais se iniciou em 1950. Originalmente, o interesse comercial por esta alga deveu-se, sobretudo, à sua densidade nutricional, já que a Chlorella é rica em micronutrientes importantes, como o ácido fólico, vitamina b12, ferro e carotenóides (ex.: luteína e betacaroteno, zeastaxantina). Os subprodutos e derivados desta alga sofrem variações de composição nutricional mediante a época, o clima, a disponibilidade de água, entre outros fatores, mas a Chlorella é atualmente comercializada com múltiplos propósitos e sob a forma de pó, comprimido, cápsula ou mesmo em formulações líquidas.

O extrato de clorela protege o colagénio e a elastina da acção degradativa das metaloproteinases da matriz, muito devido à sua riqueza em esteróis, e essas propriedades ajudam a preservar a textura e a elasticidade da pele. A síntese de colagénio também é estimulada, evitando os efeitos do envelhecimento e facilitando a reconstituição do tecido dérmico danificado.

Mais recendente, as investigações científicas desenvolvidas em torno desta alga, despertaram o interesse para as suas propriedades antioxidantes e para o impacto positivo sobre a saúde, associado à sua ingestão diária, especialmente no que diz respeito à redução da exposição às toxinas e metais pesados. As toxinas, sendo elementos lipossolúveis, isto é, que se dissolvem na gordura, sofrem bioacumulação na cadeia alimentar e entram no organismo humano através da alimentação, acumulando-se nas reservas de massa gorda. Alimentos como peixe, marisco, carne, ovos, leite e outros derivados lácteos são as principais fontes de dioxinas. As dioxinas acumuladas no organismo são segregadas através da bílis, para o intestino, participando no processo digestivo, mas ao invés de serem eliminadas, são frequentemente reabsorvidas através das células da mucosa intestinal. Como se acumulam principalmente em tecidos onde há acumulação de gordura, também se acumulam no tecido mamário e no leite humano, podendo contaminar e afetar os recém-nascidos. Mulheres grávidas e em fase de amamentação transferem, portanto, dioxinas para os seus bebés através da placenta ou do leite materno (exposição pré-natal e/ou pós-natal). Sobretudo durante a fase precoce de gestação e de desenvolvimento embrionário, a organogénese, a exposição a toxinas pode ter repercussões genéticas relevantes, na medida em que é uma fase sensível do desenvolvimento humano. Estas toxinas, quando presentes em níveis consideráveis na corrente sanguínea, afetam e podem ser detetadas em vários tecidos vitais, como os pulmões, os rins, o baço, o pâncreas, e ainda na gordura mesentérica e subcutânea. Na fase pré-natal a exposição a estas dioxinas pode afetar o funcionamento do eixo hipotálamo-pituitário-adrenal, o desenvolvimento das capacidades cognitivas e motoras, podendo também afetar o funcionamento da tiroide e respetivas hormonas tiroideias, favorecendo o desenvolvimento de hipotiroidismo congénito. Existem ainda evidências que a exposição a estas dioxinas, mesmo em baixas doses, parece estar relacionada com uma redução permanente na qualidade do esperma, podendo vir a refletir-se na capacidade reprodutiva da população. Estudos científicos demonstram que a ingestão de clorofila, extraída de algas Chlorella, promove a excreção fecal e a redução dos níveis de toxinas do organismo. Desta forma, o consumo de Chlorella parece contribuir para a redução da absorção gastrointestinal de toxinas, mais especificamente as dioxinas, para além de diminuir a sua reabsorção intestinal e fomentar a sua excreção através das fezes. A ingestão de Chlorella demonstra, portanto, um impacto favorável na diminuição dos níveis de toxinas no organismo.

Chlorella conjuga, na sua estrutura celular, três fatores-chave que exercem prevenção absortiva, inibição da recirculação portal e, ainda, favorecem e aceleram a excreção fecal de dioxinas obtidas através da exposição alimentar: teor de clorofila, conteúdo em fibra dietética e o seu complexo lipídico. A clorofila, extraída da Chlorella, forma um complexo com os congéneres de dioxinas, inibindo a sua passagem e absorção ao nível do trato intestinal. A sua riqueza em fibra alimentar parece exercer um papel benéfico, na medida em que se liga e aprisiona as dioxinas na sua estrutura, impedindo a sua absorção e promovendo a sua excreção através das fezes. As paredes celulares da Chlorella parecem ser os locais de ligação para os metais pesados, impedindo que estes sejam absorvidos pelo organismo e que entrem para a corrente sanguínea. O 3º fator que parece favorecer a ação benéfica associada a esta alga é o complexo lipídico presente neste extrato, que favorece a síntese hepática de ácidos biliares, a partir das fontes endógenas de moléculas de colesterol. Desta forma, desfavorece a reabsorção de ácidos biliares no trato intestinal, prevenindo a reabsorção de dioxinas e promovendo a sua excreção nas fezes. Também no caso do cádmio e do chumbo (Cd e Pb), a Chlorella parece desempenhar um papel protetor e que atenua a toxicidade causada no fígado, rins e cérebro, de acordo com os ensaios in vivo.

Bibliografia

1. Mason R. Chlorella and spirulina: green supplements for balancing the body. Altern Complement Ther. 2001;7(3):161-165.
2. Silva J, Alves C, et al. Chlorella. In: Nonvitamin and Nonmineral Nutritional Supplements. ; 2018.
3. Nagayama J, Maruyama I, et al. Effects of Chlorella supplementation on decreasing concentrations of dioxins in the blood of pregnant Japanese women. Clin Mother Child Heal. 2015;12(2):1-6.
4. Sears ME. Chelation: harnessing and enhancing heavy metal detoxification – a review. Sci World J. 2013.
5. Yun HJ, Kim I, et al. Protective effect of Chlorella vulgaris against lead-induced oxidative stress in rat brains. J Heal Sci. 2011;57(3):245-254.

Para a pele tem sido reconhecido como altamente benéfico por dermatologistas já que para a rotina de skincare é capaz de fornecer hidratação, efeito calmante e melhorar a textura da pele.
O pantenol também é chamado de pró-vitamina B5 e é uma forma de vitamina B5, naturalmente encontrada na pele e no cabelo.

Na verdade, a forma biologicamente ativa do pantenol, o ácido pantotênico, existe em todas as células vivasuma vez que é essencial para o metabolismo.

O pantenol como ingrediente cosmético tem muitos usos e sua eficácia tem sido verificada por especialistas que incluem uma capacidade eficaz de hidratação, efeito calmante e aumento da aparência da elasticidade da pele.

É um humectante, o que significa que é um agente hidratante que atrai água para a camada externa da pele (estrato córneo), de níveis mais profundos e do ar e, ao hidratar essa camada da pele, o pantenol exerce um efeito revitalizante que resulta numa pele mais suave e macia.

Melhora a função de barreira da pele o que ajuda a manter a integridade retendo a sua humidade logo é recomendado o seu uso em peles sensíveis e também pode fornecer suporte na redução da aparência do envelhecimento.

Bibliografia

1. Camargo, F., Gaspar, L. and Pm, M. (2011) “Skin moisturizing effects of panthenol-based formulations.”, Journal of Cosmetic Science, p.
2. Spada, F., Lui, A. and Barnes, T. (2019) “Use of formulations for sensitive skin improves the visible signs of aging, including wrinkle size and elasticity”, Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology, Volume 12, pp. 415-425. doi: 10.2147/ccid.s212240.

Derivado da vitamina A, o retinol é um nutriente que atua na renovação celular e na síntese de colágeno, o que o torna um poderoso ativo contra o envelhecimento da pele. Também tem efeito antioxidante, reduz a oleosidade e auxilia a amenizar os danos causados pelos raios UV.

É uma vitamina essencial para todos os tipos de pele, especialmente após os 40 anos, quando a renovação cutânea se torna mais lenta. Entre seus benefícios estão:

  • produção de novas fibras de colágeno e elastina;
  • combate à flacidez;
  • redução de rugas e linhas finas de expressão;
  • aparência de pele mais firme e uniforme, reduzindo espinhas e marcas de acne;
  • ação contra o fotoenvelhecimento.

Bibliografia

1. National Institutes of Health. Fact sheet for health professionals: vitamin A and carotenoids. Disponível em <https://ods.od.nih.gov/factsheets/VitaminA-HealthProfessional/>. Acesso em 21 fev 2023
2. Harvard School of Public Health. The nutrition sorce: Vitamin A. Disponível em: <https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/vitamin-a/>. Acesso em 22 fev 2022
3. Fu PP, Xia Q, Yin JJ, Cherng SH, Yan J, Mei N, Chen T, Boudreau MD, Howard PC, Wamer WG. (2007) Photodecomposition of vitamin A and photobiological implications for the skin. Photochem Photobiol. 83:09-24
4. Heidenheim M, Jemec GBE (1995) Occupational allergic contact dermatitis from Vitamin A acetate. Contact Dermatitis 33:439

Um dos ativos mais utilizados na indústria cosmética, a vitamina C atua como um poderoso antioxidante, neutralizando os radicais livres que causam o envelhecimento da pele. O nutriente não apenas previne e minimiza rugas e linhas finas, como também reduz cicatrizes, aumenta a hidratação natural e estimula a produção de colagénio e elastina, melhorando a firmeza e combatendo a flacidez.

Tem a capacidade de incentivar a renovação celular. A consequência desta ação é a uniformização da textura e da tonalidade da pele, uma vez que o excesso de melanina é eliminado. Ela neutraliza os radicais livres – moléculas que, quando em excesso, atacam as células saudáveis, causando envelhecimento precoce. Atua como um filtro que impede a radiação solar de alcançar a pele. A melanina é a proteína responsável pelo aumento da pigmentação. Uma vez que a Vitamina C inibe a formação da mesma, contribuindo para uma pele com menos manchas.

Bibliografia

1. Farris PK. Cosmetical Vitamins: Vitamin C. In: Draelos ZD, Dover JS, Alam M, editors. Cosmeceuticals. Procedures in Cosmetic Dermatology. 2nd ed. New York: Saunders Elsevier; 2009. pp. 51–6.
2. Burke KE. Interaction of Vit C and E as better Cosmeseuticals. Dermatol Ther. 2007;20:314–9.
3. Geesin J, Darr D, Kaufman R, Murad S, Pinnell S. Ascorbic acid specifically increases type I and type III procollagen messenger RNA levels in human skin fibroblast. The Journal of Investigative Dermatology. 1988;90:420-424
4. Duarte T, Cooke M, Jones G. Gene expression profiling reveals new protective roles for vitamin C in human skin cells. Free Radical Biology & Medicine. 2009;46(1):78-8734.

Com alto poder antioxidante, a vitamina E contribui para aumentar a defesa da pele contra os radicais livres e as agressões externas, como a poluição, a radiação solar, as mudanças bruscas de temperatura, entre outros. Além do efeito fotoprotetor, também atua na hidratação, sendo um ótimo aliado para tratar peles sensíveis e prevenir o envelhecimento precoce.

Promove a integridade da pele e mantém as paredes celulares, aumentando a sua firmeza. Por isso, pode prevenir o envelhecimento precoce e o surgimento de rugas, melhora a cicatrização e algumas condições de pele. Combate o stress oxidativo e os radicais livres, restaurando as propriedades humidificantes naturais da pele diminuindo a perda transdérmica da água.

Bibliografia

1. Pekiner BD. Vitamin E as an antioxidant. J Fac Pharm, Ankara. 2003;32(4):243-267
2. Manela-Azulay M, Bagatin E. Cosmeceuticals vitamins. Clin Dermatol. 2009 Sep;27(5):469-474
3. Thiele JJ, Hsieh SN, Ekanayake-Mudiyanselage S. Vitamin E: critical review of its current use in cosmetic and clinical dermatology. Vol. 31, Dermatologic surgery : official publication for American Society for Dermatologic Surgery [et al.]. 2005
4. Burke K. Interaction of vitamins C and E as better cosmeceuticals. Dermatol Ther. 2007;20(5):314-321
5. Nachbar F, Korting H. The role of vitamin E in normal and damaged skin. J Mol Med. 1995;73(1):7-17

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Beauty Drops”
Carrinho de Compras
Nós sabemos! É uma chatice. Infelizmente este produto não está disponível mas se colocar o seu endereço de email abaixo e carregar no botão nós avisamos quando existir stock!
Scroll to Top